quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Leitura a frio e charlatões

Em minhas andanças pela internet, encontrei um site que disponibilizava para download uma espécie de curso para 'leitura da mente", que prometia trazer uma forma de interpretação da linguagem corporal, da postura da voz, das expressões faciais, entre outros fatores, a fim de 'ler' a mente da outra pessoa, e, com isso, obter uma vantagem na forma de persuadí-las. As técnicas foram referidas como utilizadas por alguns advogados, por vendedores, políticos, entre outros, e também por videntes. Estes últimos utilizariam da mística do tarô, da bola de cristal, da astrologia, da leitura de mãos, para impressionar seu cliente (no caso, sua 'vítima') enquanto, na verdade, puxava informações destas pessoas através de técnicas chamadas de 'leitura fria'. Mas do que consiste esta técnica? Basicamente, segundo narra este vídeo, o vidente lançaria no ar algumas afirmações vagas como 'você está com uma preocupação', ou ' vejo um homem mais velho em sua vida', por exemplo, e então daí, a partir da resposta da outra pessoa (que consentiria e daria mais informações, passo-a-passo, preenchendo as lacunas) coneçaria a tecer uma manipulação de palavras, levando a outra pessoa a pensar que o suposto vidente possui poderes sobrenaturais ou algum dom paranormal.
Segundo esta explicação, um dos fatores seria a fragilidade das pessoas que iriam se consultar, a outra seria o ambiente místico em que a pessoa é envolta, com incensos, imagens, bolas de cristal e tudo mais, outra seria a bajulação feita pelo vidente, a fim de massagear o ego de seu consulente, ganhando sua receptividade. o vidente também lançaria mão de interpretações subjetivas e de afirmações generalizadas. Por exemplo, dizer 'você teve um amor no passado que te marcou negativamente' ou 'você é uma pessoa extrovertida em alguns momentos, mas às vezes tímida e reservada' ou 'você tem um senso muito grande de justiça, preza seus valores pessoais e sabe defendê-los muito bem'. Estes exemplos são de afirmações que poderia se dizer a qualquer pessoa, sendo aceita como uma verdade individual e específica. O vidente começaria a fazer afirmações sobre a pessoa e teria suas afrmações aceitas como sugestões mentais que fariam com que o consulente utilizasse seu intelecto para fazer as ligações entre o que está sendo dito pelo vidente (as generalizações), com os fatos específicos vividos pelo consulente.
Estas explicações que estou relatando acima são parte do material que encontrei nos arquivos de áudio de uma aula entitulada 'o fator de raio x', de Robert Abraham. Gostaria de comentar minha colocação quanto a estes argumentos.


Sabemos que existem charlatões inflitrados em todos os meios sociais, pessoas que querem tirar vantage das outras por meios ilícitos , trapaças e ludibriações. Acredito que a maioria dos videntes utilizam estas técnicas de 'leitura fria', como as descritas acima, camufladas como sendo leituras de tarô, bolas de cristais, runas, búzios, o que seja. Não nos interessa saber as motivações para o mal uso dos oráculos, mas nos cabe questionar, isto sim, a que ponto estamos obtendo informações úteis para nosso desenvolvimento, através dos oráculos, e a que ponto estamos nos auto-iludindo com estas ferramentas. Então primeiro nos perguntamos qual a nossa motivação íntima para obter uma leitura de tarô. É para ter o ego massageado? é para acalmar a ansiedade em saber como as coisas irão acontecer? é por supertição? é para nos dizer coisas que já sabemos, só que com palavras mais bonitas e expressivas? se forem estas as motivações, então o sentido dos oráculos é nulo. Não posso responder por todos os tarólogos, nem por todos os esotéricos, mas posso responder por mim. Minha leitura jamais pode ser considerada uma 'leitura fria', pois eu atendo virtualmente, não tenho contato pessoal com as pessoas para poder fazer o que se chama de 'leitura fria'. Quando as perguntas chegam para mim via e-mail, eu sei o nome da pessoa, o estado onde ela mora, e a pergunta que ela tem. absolutamente mais nada. Eu jogo o tarô e envio a resposta, e tudo que digo coincide. E não são generalizações. Eu explico como a pessoa se posiciona frente a uma situação, como é a reação ao seu redor, como ela se sente, lembro aspectos positivos e negativos, coisas do passado. Como poderia haver manipulação nisso? Uma pessoa que pergunta 'quero saber sobre minha vida profissional' e não dá nehuma outra 'dica' sobre si, como explicar quando eu faço a leitura e vejo , em primeiro lugar, se a pessoa está desempregada ou empregada, satisfeita e esperançosa, ou insatisfeita? 'ha, mas se ela te procurou, deve ser porque tem algum problema , na certa' - te digo que nem sempre. Às vezes a pessoa está bem no trabalho, no amor, na vida familiar, e quer a leitura somente para confirmar que está o caminho certo. Nunca aconteceu de eu ver em uma leitura do tarô, por exemplo, que uma pessoa estivesse confiante em uma situação, enquanto ela tivessem medo, e vice-versa. (...) Eu não digo o que elas querem ouvir , nem as manipulo, nem me proponho a ter poderes paranormais, mediunidade ou 'vidência'. Canso de dizer que o tarô é técnica, estudo de simbologias, intuição, vontade de ajudar o próximo, busca pelas verdades da vida, crença nas forças invisíveis que nos conduzem. Duvidar destas forças invisíveis, acreditando somente na ciência, é nos vedar de nosso lado transcendental, nosso lado místico que só tem a nos ajudar em nossa caminhada espiritual.


De verdade, me senti ultrajado ao ouvir aquela narrativa. senti meu trabalho sendo rotulado como charlatanismo, me senti ofendido em minhas horas e horas de estudos dos símbolos do tarô, me senti ofendido nas minhas meditações onde busquei estar neutro e sereno para atender as consultas com mo máximo de imparcialidade e profundidade. Me ofendi ao ver o tarô, uma ferramenta sagrada que tanto aprendizado espiritual me oferece, ser ridicularizado como uma ciência de tolos ou uma forma de mentira e manipulação. Einstein já dizia que há duas formas de ver a vida: uma é como se não existisse milagres, outra é enxergar como se tudo fosse milagre. eu acredito que tudo em nossa vida é um milagre, estamos cercados de mistérios. Acredito na fé, em vidas futuras, em forças ocultas que atuam em noso bem. Acredito em seres esprituais ascencionados, acredito na meditação, acredito no espírito, acredito que haja um sentido maior para a vida. Acredito que a astrologia tem uma mensagem importante a me dizer, acredito que a numerologia é baseada em leis tão reais e úteis quanto as suas formas mais comuns, como a álgebra, aritmética, geometria. Acredito que existam bons profissionais em todas as áreas. Acredito no bom caráter dos ser humano, em sua busca legítima pelo auto-conhecimento e aperfeiçoamento. Se acreditar nisso tudo é ser ingênuo, ter fantasias, ou viver em um mundo alienado, então não sei o que é real. Não compreendo o real. Não compreendo uma vida onde o único sentido é satisfazer as vontades do corpo, como vontade de sexo, fome, sono, vontade de consumir drogas, cigarros, bebidas. Não compreendo o mundo 'real' onde as pessoas se relacionam dominando umas às outras, competido, puxando o tapete, sabotando aos outros e a si próprias. Onde as pessoas se relacionam por medo, por inveja, por ganância, por egoísmo, por abuso. Não compreendo o mundo 'real' onde se acredita que ter mais dinheiro e poder é mais importante do que ser feliz. Não credito no mundo 'real' onde a única saída seja a fuga, pelo o suicídio, a embriaguez, a violência, a mentira. Um mundo 'real' onde os funks com letras pornográficas fazem sucesso e estão na 'moda', ditando comportamentos e modos de vida de jovens e adultos, infestando a mídia, a opinião pública, enquanto a poesia, a sensibilidade e a pureza são tidos como coisas de pessoas fracas, ingênuas e fantasiosas.
Se o mundo 'real' que nos cerca é de fato tudo o que existe, e o mundo espiritual é somente um mundo de sonhos, uma fantasia para os tolos, um ajuntamento de supertições vazias, então nada faz sentido e eu poderia cair morto no chão agora, neste minuto, pois não faria a menor diferença. Desculpem as palavras pesadas, mas fui tocado na minha dignidade mais profunda.

(recomendo a visita)

3 comentários:

Anónimo disse...

Tem mesmo gente que leva esse trabaho a sério mesmo, só que existem tantos charlatões que vc acaba sendo confundido com mais um. O Robert não é o único que fala sobre isso, ele expõe os charlatões.
Na igreja Universal é pior, eles dizem que o seu trabalho é obra do demônio e coisas piores ainda.

luizaurelioterapeuta disse...

Olá!Tenho acompanhado seu trabalho pela Internet,e Recomendo a leitura e acompanhamento de seus blogs,pois vc nos passa a impressãO de desenvolver sempre um trabalho sério,constantemente renovado e aprofundado!E,também o Tarot,quando pesquisado e/ou praticado,por pessoas sérias,como vc,é de suma importância!BOA SORTE!Forte Abraço!Luiz Aurelio Nogueira-terapeuta holístico-João Pessoa,PB

Paulo Moniz disse...

Eu ainda gostava de falar consigo pessoalmente. Gostavade saber que convicção 3 que você tem para afirmarque existe toda essa espiritualidade

Enviar um comentário